jusbrasil.com.br
11 de Agosto de 2022
    Adicione tópicos

    Homem deverá indenizar mulher por assédio em aplicativo de mensagens

    Entenda a decisão da 7ª Câmara de Direito Privado do Tribunal de Justiça de São Paulo

    Wander Barbosa Advogados, Advogado
    ano passado

    O que ocorreu?

    “Consta nos autos que a autora forneceu seu número de telefone para o réu por razões profissionais e por afinidade religiosa. O réu, entretanto, utilizou-se do aplicativo de mensagens para propor encontro íntimo entre os dois, importunando a mulher com este propósito durante 12 dias. Após a autora recusar todas as suas investidas, o homem enviou foto de órgão genital masculino, dizendo, em seguida, que tinha enviado por engano.

    Qual a visão do magistrado?

    O relator do recurso, desembargador Rômolo Russo, afirmou que ficou comprovado que o réu estava ciente do desinteresse da autora da ação, mas mesmo assim permaneceu insistindo para que tivessem um encontro íntimo, aproveitando-se, inclusive, da situação de desemprego da mulher.

    O magistrado destacou que o apelante não provou que o envio da imagem tenha decorrido de erro. “À aludida contradição acerca do suposto erro, soma-se a ausência de prova documental ou testemunhal por parte do réu, o qual poderia ter instruído o feito com prova documental do recebimento de tal imagem em um grupo e seu encaminhamento para outro, ou prova testemunhal de que tal imagem destinava-se a outra pessoa de seu relacionamento íntimo.”

    Quem participou desse julgamento?

    Além disso, a afirmação de que a imagem estava sendo enviada para a namorada “não traduz pedido de desculpas ou arrependimento do réu, apenas reforçando a objetificação da autora, na medida em que indica que as interpelações a ela apenas se destinavam à obtenção de encontro sexual”. “É, portanto, evidente a ocorrência de dano moral ante a desvalorização da autora em sua dignidade humana”, completou.

    Participaram ainda desse julgamento a desembargadora Maria de Lourdes Lopez Gil e o desembargador José Rubens Queiroz Gomes. A votação foi unânime.”

    Essa ação tem extrema relevância e merece atenção nesse quesito de danos morais por assédio em aplicativo de mensagens, caso decorrente no cotidiano de tantas mulheres essa e outras situações vexatórias e constrangedoras, por isso nunca deixem de se informar sobre seus direitos, consulte sempre um advogado em caso de dúvidas.


    Saiba mais clicando aqui.

    Fonte: TJSP

    Informações relacionadas

    Espaço Vital
    Notíciashá 8 anos

    Ex-executiva processa aplicativo de paquera

    0 Comentários

    Faça um comentário construtivo para esse documento.

    Não use muitas letras maiúsculas, isso denota "GRITAR" ;)